A fibrilação atrial aumenta em até cinco vezes a possibilidade de sofrer um avc

A fibrilação atrial (FA) é a arritmia cardíaca mais grave e frequente em pessoas adultas e uma das principais causas de avc. À medida que aumenta a idade, aumenta a sua frequência na população mundial. Inúmeros estudos demonstram a estreita relação entre o avc e a FA: as pessoas com ela têm entre quatro e cinco vezes mais chances de sofrer um avc embólico. De facto, em Portugal a 11% dos avc é causado pela FA

A fibrilação atrial aumenta em até cinco vezes a possibilidade de sofrer um avcInfográfico sobre avc. EFE/Maria Fernanda AyalaO Congresso dá luz verde à saúde universal

Sexta-feira 07.09.2018

Uma investigação abre a porta para regenerar órgãos sem necessidade de transplantes

Quinta-feira 06.09.2018

Mieloma Múltiplo: iniciativas contra essa doença no seu Dia-Mundial

Quarta-feira 05.09.2018

Assim, o que corrobora o doutor Mirko Alavena, especialista da Unidade de pet dedicado utilizando do Hospital Quironsalud Torrevieja, que diz que “o risco de avc associados à FA aumenta significativamente com a idade, até um 23,5% em idades avançadas, dos 80 aos 89 anos. Além disso, os avc associados à FA costumam ser graves, com um aumento da deficiência de 60%”.

A FA é muitas vezes assintomática e só é detectado em exames médicos regulares. Entre os fatores de risco que podem décima causa estão a hipertensão arterial, a diabetes, o envelhecimento, a insuficiência cardíaca, é de tiróide ou outros problemas hormonais ou o consumo de grande quantidade de álcool ou café.

“Alguns desses fatores, como o envelhecimento, não se podem mudar, mas outros como manter o controlo da tensão arterial, do diabetes, não fumar e evitar o consumo excessivo de álcool podem ajudar a prevenir a FA como o avc”, destaca o especialista, que aconselha a realizar periodicamente uma revisão cardiológica para reduzir as chances de sofrer um avc.

A intervenção precoce e a melhoria contínua das sequelas do dano cerebral que ocorre depois que o paciente tenha sofrido um acidente vascular cerebral, um acidente, uma infecção ou uma parada cardíaca. Uma lesão neurológica, como resultado de um desses acidentes pode causar dificuldades para o deslocamento, a comunicação e a realização de tarefas tão comuns como vestir-se, gerando graves alterações nos âmbitos familiar e social.

O doutor Mirko Alavena enfatiza que “a reabilitação tem de ser o mais precoce possível (mas não é exclusiva do tempo de evolução), especializada e através de uma equipa multidisciplinar experiente e formado que procure a recuperação das funções através dos mecanismos de neuroplasticidad cerebral”.

Esta linha de atendimento médico imediato é fundamental para o serviço de pet dedicado utilizando, que possibilita receber tratamento internado no hospital integrando outras especialidades, até a UTI de ser necessário, ou com atendimento ambulatorial.

Pioneiros no uso de novas tecnologiasIctus_DiegoRuiz_Quiron_Palmaplanas

O especialista destaca-se “o apoio formativo, para os familiares e pacientes, além da reabilitação virtual através biotrak e tela multitoque, que são peças-chave na recuperação de pacientes com lesões neurológicas”.

A Unidade de pet dedicado utilizando do Hospital Quirónsalud Torrevieja aplica tratamentos multidisciplinares que melhoram os resultados clínicos do paciente. A unidade foi pioneira na utilização da realidade virtual, tecnologia aplicada, bem como o biotrak, um sistema de reabilitação baseado em tecnologias de realidade virtual que ajuda a controlar cada detalhe do processo de reabilitação, adapta-se às disfunções de cada paciente e melhora a sua motivação.

A equipa desta unidade especializada é formado por especialistas em neurologia e reabilitação e equipamento terapêutico com a neuropsicologia, terapia da fala, terapia ocupacional e fisioterapia.

(Não Ratings Yet)
Loading…

Leave a Reply